agenda
-
A Arquitectura e a Engenharia Sísmica
04.06.2018
7 de Junho de 2018
Auditório do Laboratório Nacional de Engenharia Civil - LNEC, Lisboa
9h - 17h30

ficha de inscrição



A necessidade de integrar medidas de melhoria da resistência sísmica dos edifícios, nomeadamente nas operações de reabilitação, contextualizadas na prática corrente da Arquitectura e da Engenharia, é uma realidade e uma necessidade reconhecida pelas mais variadas entidades competentes e pelo público em geral, no contexto actual da construção em Portugal.

O presente Seminário que se realizará no dia 7 de Junho no LNEC, com a organização conjunta da Ordem dos Arquitectos, Laboratório Nacional de Engenharia Civil, Sociedade Portuguesa de Engenharia Sísmica e Ordem dos Engenheiros, terá um enfoque especial nas questões técnicas em causa, desde a avaliação sísmica do edificado, aos casos práticos de aplicação de medidas de melhoria da resistência sísmica em edifícios novos ou para reabilitar. Procura-se desta forma promover o debate em torno das eventuais dificuldades de implementação no terreno de medidas de melhoria da resistência sísmica. Reconhece-se ainda como factor fundamental para se atingir com sucesso soluções de referência neste campo, o desenvolvimento de um trabalho colaborativo desde a fase inicial do projecto entre o arquitecto e o engenheiro de estruturas, considerando ainda a articulação com as demais especialidades integrantes da intervenção.

Espera-se desta forma envolver todos os profissionais com interesse nesta temática, bem como os decisores, os gestores e os proprietários, na crescente sensibilização pela integração da sísmica como tema prioritário da actualidade da construção em Portugal.


PROGRAMA

9h00
Recepção


9h30
Sessão de Abertura

Presidente do Conselho Directivo do Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC)
Presidente da Sociedade Portuguesa de Engenharia Sísmica (SPES)
Bastonário da Ordem dos Engenheiros (OE)
Presidente da Ordem dos Arquitectos (OA)

10h20
Comunicação

Membro do Governo

10h40
Vulnerabilidade sísmica: alguns aspetos sobre conceção e construção

Paulo Candeias
Laboratório Nacional de Engenharia Civil, LNEC

10h50
Na fronteira entre a Arquitectura e a segurança sísmica

Alice Tavares
Ordem dos Arquitectos

11h00
Intervalo – Pausa para café


11h15
A NP EN 1998-3, um passo para a reabilitação sísmica

E. Cansado Carvalho
Ordem dos Engenheiros

11h25
Etapas a cumprir na garantia da segurança sismo-resistente de edifícios

João Azevedo
Sociedade Portuguesa de Engenharia Sísmica

11h35
Debate


12h00
O Fundo Nacional de Reabilitação do Edificado - desafios e oportunidades no contexto da reabilitação urbana

Eduardo Júlio, Fundiestamo

12h30
Intervalo – almoço


14h00
O isolamento de base na concepção sismo-resistente de edifícios

Luis Guerreiro

14h30
La responsabilidad de los arquitectos en la vulnerabilidad de los edificios

Teresa Guevara, Venezuela/ Espanha (Madrid)

15h00
Intervenção em edifícios Pombalinos (casos de intervenção)

Luis Rebelo de Andrade

15h30
A Arquitectura e a sísmica no Chile, casos de obra

Leonel Sandoval (Chile)

16h00
Intervalo – Pausa para café


16h15
Relato de questões-chave suscitadas durante a conferência e para debate (LNEC)


16h30
Mesa Redonda moderada por Aníbal Costa, SPES

António Mineiro, Luis Rebelo de Andrade, Fundiestamos, Ordem dos Engenheiros e SPES

17h30
Encerramento


Notas resumo de comunicação dos oradores
Vulnerabilidade sísmica: alguns aspetos sobre conceção e construção

A vulnerabilidade sísmica das construções é influenciada por uma multiplicidade de fatores, muitos dos quais são decididos ainda nas fases de conceção e construção. Identificar-se-ão alguns destes fatores, particularmente aqueles com maior relevo para o bom/mau comportamento sísmico, e abordar-se-ão possíveis soluções.
Paulo Candeias, Laboratório Nacional de Engenharia Civil, LNEC

Na fronteira entre a Arquitectura e a segurança sísmica
A conceção arquitectónica inclui a integração de estratégias de segurança sísmica que os arquitectos compatibilizaram de várias formas ao longo do tempo. A consciencialização do impacto da sua actividade na salvaguarda de pessoas e bens em caso de catástrofes naturais é motivadora da crescente participação dos arquitectos, incluindo em Portugal.
Alice Tavares, Ordem dos Arquitectos

A NP EN 1998-3, um passo para a reabilitação sísmica
E. Cansado Carvalho, Ordem dos Engenheiros

Etapas a cumprir na garantia da segurança sismo-resistente de edifícios
Faz-se uma reflexão sobre os requisitos necessários para a garantia da segurança sismo-resistente de edifícios, com especial foco nas atuações e nas responsabilidades dos arquitetos e engenheiros.
João Azevedo, Sociedade Portuguesa de Engenharia Sísmica

O Fundo Nacional de Reabilitação do Edificado - desafios e oportunidades no contexto da reabilitação urbana
Faz-se uma apresentação do FNRE, cujo principal objetivo é o desenvolvimento e a concretização de projetos de reabilitação de imóveis para a promoção do arrendamento, em especial o habitacional, tendo em vista a regeneração urbana e o repovoamento dos centros urbanos, abordando em especial o papel da FUNDIESTAMO e a oportunidade de incluir na reabilitação a componente sismo-resistente.
Eduardo Júlio, Fundiestamo

O isolamento de base na concepção sismo-resistente de edifícios
O isolamento de base é uma técnica que garante um elevado nível de protecção sísmica aos edifícios, seu conteúdo e, consequentemente, aos seus ocupantes.
Esta técnica será apresentada dando realce à contribuição da componente arquitectónica na solução geral, referindo também as vantagens e inconvenientes da sua implementação.
Luis Guerreiro

La responsabilidad de los arquitectos en la vulnerabilidad de los edificios
La responsabilidad de los arquitectos en la vulnerabilidad sísmica de los edificios
Cada vez que un sismo afecta a una ciudad contemporánea, se puede observar en los informes de la evaluación de daños de edificios modernos que se realizan después de los sismos, que se vuelven a encontrar daños relacionados con aspectos arquitectónicos y urbanos. La influencia de los aspectos de configuración arquitectónica en el comportamiento sismorresistente de los edificios ha sido señalada por los especialistas desde principios del siglo XX y en especial en las últimas cuatro décadas, como generadores de la vulnerabilidad sísmica de las edificaciones, en particular, y de la ciudad, en general.
Tradicionalmente se había considerado que el ingeniero estructural era el profesional con la responsabilidad primaria en el desempeño sísmico de una edificación. Hoy día ya no es así en el ámbito internacional. Prueba de ello es la incorporación de aspectos relacionados con la configuración arquitectónica de los edificios en las normas sísmicas internacionales. El arquitecto tiene una gran responsabilidad cuando diseña nuevos edificios o hace remodelaciones en zonas sísmicas. Si un arquitecto le entrega al ingeniero estructural un concepto y los detalles constructivos de un edificio que son fundamentalmente pobres en su sismorresistencia, el ingeniero estructural se enfrentará a un trabajo difícil, si no imposible, en la concepción de un edificio seguro.
Para analizar la influencia de la configuración arquitectónica y urbana en la vulnerabilidad sísmica en las ciudades contemporáneas en el ámbito internacional, se llevó a cabo una investigación, que duraría 7 años (2002-2009), guiada por el Prof. Vitelmo Bertero de la Universidad de California, Berkeley, a través del estudio sistemático de las configuraciones arquitectónicas y urbanas que influyen en el comportamiento sismorresistente de las edificaciones. Los resultados de esta investigación se publicaron en dos libros: Arquitectura moderna en zonas sísmicas y Configuraciones urbanas contemporáneas en zonas sísmicas.
La conferencia "La responsabilidad de los arquitectos en la vulnerabilidad sísmica de los edificios" presenta un resumen muy breve sobre este tema.
Teresa Guevara, Venezuela/ Espanha (Madrid)

Intervenção em edifícios pombalinos (casos de intervenção)
Luis Rebelo de Andrade
, Lisboa

A Arquitectura e a sísmica no Chile, casos de obra
O Chile é um dos países com maior sismicidade do planeta.
Como arquiteto, participei do levantamento de danos e realizei projetos de reconstrução do patrimônio severamente danificados em diferentes terremotos.
Arquitecto de um povo que se recupera várias vezes diante de uma natureza ativa.
Leonel Sandoval, Chile



Entidades Organizadoras
Ordem dos Arquitectos - OA
Ordem dos Engenheiros - OE
Laboratório Nacional de Engenharia Civil - LNEC
Sociedade Portuguesa de Engenharia Sísmica – SPES



Proceda à sua inscrição
Geral (25€); Estudante (15€) com envio de comprovativo

NIB: PT50 0018 0000 03921588001 12
(Sociedade Portuguesa de Engenharia Sísmica, SPES)

O comprovativo de pagamento da inscrição (e de estudante, quando se aplique) deve ser enviado para alice.tavares@ordemdosarquitectos.pt



Subscrever E-Newsletter



 

TSF

JA

mais

 

OA
OASRN OASRS HABITAR PORTUGAL IAP20 OAPIX CONHECER 1(-)1 CONGRESSO DOS ARQUITECTOS PORTAL DOS ARQUITECTOS
CAE CIALP DoCoMoMo FEPA UIA