notícias da OA
-
-
-
-
Roteiro pela Profissão. Etapa 1
14.07.2014
A primeira etapa do itinerário pelos temas da profissão teve lugar na Casa dos Cubos, em Tomar, a 19 de Junho. Em organização conjunta com a OASRS e a Delegação de Abrantes, o CDN deu início ao Roteiro que procura envolver, de forma aberta e conjunta, os membros e a sociedade civil.

A discussão versou três tópicos: Reabilitação Urbana, Património Arquitectónico e Qualidade de Vida.
Ainda que qualquer dos temas não seja propriamente novo para os profissionais arquitectos, o facto é que ganharam actualidade no quadro conjuntural crítico que atravessamos e são necessários para definir estratégias e políticas para uma intervenção integrada e programada. Reabilitação, regeneração, revitalização são expressões de uma mesma realidade que deve ser construída com o saber e a prática dos arquitectos.

O arquitecto Rui Serrano, vice-presidente da Câmara de Tomar, deu início aos trabalhos justificando a sua realização na Casa dos Cubos, um espaço que traduz a dualidade da imagem da memória e dos valores do município e da inovação e renovação que os arquitectos conseguem proporcionar. É um local onde se reúnem os três tópicos do debate.

Enquanto autarca sublinhou a necessidade de delinear estratégias para fazer face aos desafios que se colocam à gestão da autarquia e da Comunidade Urbana do Médio Tejo, com a participação da sua presidente, a Dra Maria do Céu Albuquerque, no quadro do próximo Quadro Comunitário (2020) na questão da reabilitação urbana. Procuram-se novas respostas às necessidades dos munícipes e das comunidades, tirando partido das qualificações das cidades e enquadrando de forma criativa todos os projectos. Por isso se valorizou a participação do Convento de Tomar, através da sua directora, a arquitecta Andreia Galvão, e do Instituto Politécnico de Tomar, com o docente arquitecto Fernando Sanchez Salvador.

Os restantes convidados, todos arquitectos, estão a desenvolver trabalhos de requalificação em Tomar ou Abrantes.

O Presidente da Ordem, arquitecto João Santa-Rita, apresentou a proposta do Roteiro pela Profissão, um espaço de encontro e debate, que deve trazer contributos para as temáticas a discutir no momento estatutário do Congresso dos Arquitectos, que reúne de três em três anos, e para a necessária abertura à sociedade da Ordem dos Arquitectos.

O primeiro tema trazido para este momento de ensaio do itinerário é o da Reabilitação, uma actividade que tem de ser repensada quando importa requalificar não só apenas os centros mas ainda as periferias, com adaptações a novos usos através de intervenções a níveis muito diversos, muito poucas vezes vertidas num quadro legal de fácil e claro enquadramento.

O Património Arquitectónico é rico e vasto em Portugal. Carece de inventariação e de uma programação da sua revitalização, que deve integrar novos modelos de intervenção com mais participação dos cidadãos na medida em que se trata de um importante factor de identidade local.

A Qualidade de Vida está intimamente ligada à qualidade do espaço e, enquanto arquitectos, a qualidade das suas realizações decorre da assunção de uma responsabilidade social e pública.

Para a Dra Maria do Céu Albuquerque, presidente da Câmara de Abrantes o grande desafio da reabilitação urbana ganha escala quando tratado numa lógica de comunidade intermunicipal; a nível da solidariedade entre os municípios e de projectos intermunicipais que conseguem manter a identidade de cada município e de cada centro histórico. A regeneração urbana deve ser implementada sob uma estratégia de eficiência energética e de engenharia financeira, criando melhores condições de vida para os munícipes e estimulando a economia local. O plano estratégico da regeneração urbana de Abrantes privilegiou as vertentes residencial, cultural e económica, trazendo para o centro os serviços sociais – unidade de saúde, centro de jovens, escola –, a dinamização do comércio – um centro comercial a céu aberto – e das actividades culturais – festas e residências artísticas – com um serviço de transportes para todos e a construção de habitação social ou a custos controlados. A par do trabalho desenvolvido pelo Gabinete do Centro Histórico e dos arquitectos funcionários do município foram contratados trabalhos a arquitectos de renome.
A autarca terminou lançando o repto: “contamos convosco, senhores arquitectos; ajudem-nos a pensar a apropriação do espaço público”. Para o efeito deixou três desafios: “a economia dos meios/o preço, a funcionalidade e a facilidade de manutenção das intervenções”.

Rui Serrano aproveitou para levantar a questão: “Qual o papel da Arquitectura e dos arquitectos nos nossos territórios nos dias de hoje?” O cluster da reabilitação urbana interliga quatro entidades entre si: a OA ou os arquitectos, os municípios, as universidades e as associações empresariais. A qualquer delas compete, com maior ou menor grau de intervenção, pensar, planear e agir no território por forma a tornar as cidades – que em 2050 absorverão 75% da população mundial – mais competitivas, ou seja, aceleradoras e catalizadoras de novas dinâmicas criativas, em termos dos cidadãos – individual ou colectivamente –, dos profissionais – em particular dos arquitectos – e municipais.

A criatividade encontra lugar também no legado patrimonial quando este se liga à contemporaneidade. Andreia Galvão procura garantir que o Convento de Cristo esteja mais entrosado com a cidade e considera o património como um instrumento de desenvolvimento do território e de uma cultura de adequação de investimentos, de custos e benefícios na sua salvaguarda, face à integração social que pode proporcionar. O património é um recurso de coesão económica e social e de promoção da imagem da cidade. Desta forma, o Convento é uma plataforma, um laboratório vivo e activo disponível para dialogar e trabalhar com os activos que o rodeiam, Ordem dos Arquitectos incluída.

Pedro Dias Costa, presidente da Delegação de Abrantes, alertou para o facto da regeneração urbana não ser a mesma coisa em Lisboa ou no Porto ou em meios rurais, se acreditamos que ainda existem; trata-se de uma questão de densidade e de lógica de concentração, também demográfica, que arrasta problemas económicos. Acredita que no problema da regeneração se encontra a sua própria solução e que os arquitectos fazem parte do problema e da sua solução. Encontra razões de optimismo para o futuro da profissão se os arquitectos souberem inverter o ciclo dos problemas para o ciclo das soluções.

Vítor Mestre e Sofia Aleixo questionaram o papel da OA quanto à formação dos reabilitadores, quando a regeneração urbana deve ser também uma regeneração social. Compete à OA alargar o debate a todos os membros e não privilegiar a afirmação dos “arquitectos estrela”. Todos os arquitectos são necessários nas tarefas de requalificação.

Fernando Sanchez Salvador propõe um olhar para a Arquitectura através da cidade. A sua regeneração deve ser abordada através da reabilitação urbana e arquitectónica. A cidade de Tomar, uma organização a partir do lençol de água do Nabão, tem se mantido muito pouco alterada desde o século XIX com a sua malha ortogonal. A impregnação do tempo, da arquitectura nos monumentos e no traçado urbano do centro assenta numa economia própria que traduz um cadastro e um registo de propriedade muito próprio. A memória colectiva de materiais, técnicas e projectos é um património de valor que contém, em simultâneo, uma herança e um legado num tempo longo. Citou Solà-Morales para recordar que “uma cidade sem vida é um parque temático”. O arquitecto deve lidar com a heterogeneidade que é sinal da vitalidade das cidades, de interesses a diversos níveis, sociais e económicos, que potenciam economias de diferentes escalas e usos.
Adalberto Dias mostrou um diaporama com imagens dos seus trabalhos de reabilitação em curso, a igreja de São João Batista em Tomar, a intervenção no claustro da Sé de Lisboa, mas centrou a sua exposição no sucesso ou insucesso de algumas intervenções do Porto 2001. A política de novas centralidades nos anos 70 para equilibrar a pressão sobre o centro teve o efeito perverso de esvaziar o centro, daí no Porto se ter proclamado o regresso à Baixa. As pressões, funcionalidade e um carácter urbano e próprio da Baixa passaram pelo desenho de novas acessibilidades que é a matriz do desenho urbano.

Cândido Chuva Gomes, a desenvolver o projecto de reabilitação do complexo da Levada, centrou a sua intervenção na importância da leitura e da interpretação do sítio e no conceito de temporalidade. O sistema de produção do território é variado e é um legado para o exercício da intervenção. Deve avaliar-se o real, o legado físico que temos; olhar para os edifícios como capítulos num curso do tempo, cada edifício como uma matriz de base que está integrado num conjunto. Completada esta leitura é necessário criar espaços de energia e de comunicação entre pessoas e profissões. Terminou com um apelo à Ordem dos Arquitectos para que defina estratégias para exportar a arquitectura nacional.

Seguiu-se um pequeno debate com todos os intervenientes, moderado por Pedro Ravara, vice-presidente do CDN, que acentuou a continuidade e a ruptura que são introduzidas pelas intervenções na cidade e na sua dinâmica enquanto “ser vivo”.
João Santa-Rita fez a síntese dos trabalhos apontando cinco aspectos assenciais que a OA deve acompanhar de perto:

- Os arquitectos querem ser parte da solução porquanto são gestores de problemas e de conflitos; estão habilitados a lidar com a realidade e a coordenar o trabalho de uma série de profissionais.
- Os arquitectos olham para a cidade como um todo e procuram equilíbrios entre os seus tecidos, o centro e a periferia.
- Do ponto de vista da formação, os arquitectos devem recuperar o saber que foi acumulado durante um tempo muito longo.
- Os arquitectos devem procurar novos caminhos face à escassez do campo de acção: o arquitecto é um profissional que dialoga com a sociedade e interpreta as suas necessidades.
- A capacidade de exportação da Arquitectura deve ser alargada.

Participe nas próximas etapas do Roteiro pela Profissão. Os interessados podem apresentar comunicações dentro dos temas propostos. Esteja atento às notícias.


OA
OASRN OASRS HABITAR PORTUGAL IAP20 OAPIX 1(-)1 CONGRESSO DOS ARQUITECTOS PORTAL DOS ARQUITECTOS
CAE CIALP DoCoMoMo FEPA UIA